HPV PapilomavĂ­rus humano

16/06/2012 - 10:50 Por:

Categoria(s): Doenças e problemas de saĂșde

Retirado do site do dr. Dråuzio Varella em entrevista com a dra. Maricy Tacla (médica ginecologista, professora do Departamento de Ginecologia do Hospital das Clínicas de São Paulo e trabalha no Laboratório Fleury de São Paulo).

O vĂ­rus do papiloma pode ser responsĂĄvel por vĂĄrios problemas no corpo humano. Essas verrugas comuns que acometem as crianças, por exemplo, sĂŁo provocadas por ele que tambĂ©m pode instalar-se nas cordas vocais e provocar o aparecimento de papilomas que causam um quadro de rouquidĂŁo progressiva exigindo, Ă s vezes, intervenção cirĂșrgica para a sua retirada. Do ponto de vista humano, porĂ©m, a doença mais importante provocada pelo papilomavĂ­rus sĂŁo as infecçÔes genitais, porque esse micro-organismo Ă© transmitido predominantemente por via sexual. As caracterĂ­sticas anatĂŽmicas dos ĂłrgĂŁos sexuais masculinos permitem que as lesĂ”es sejam mais facilmente reconhecĂ­veis. Nas mulheres, porĂ©m, elas podem espalhar-se por todo o trato genital e alcançar o colo do Ăștero, uma vez que, na maior parte dos casos, sĂł sĂŁo diagnosticĂĄveis por exames especializados. Quando o papilomavĂ­rus entra em contato com o aparelho reprodutivo humano, as reaçÔes sĂŁo diversas. A mais comum Ă© a pessoa infectar-se e nunca desenvolver qualquer patologia, pois elimina o vĂ­rus espontaneamente. Em situaçÔes um pouco mais sĂ©rias, especialmente nas mulheres, o HPV pode provocar uma alteração discreta, perceptĂ­vel apenas no exame de Papanicolaou, um teste de rotina para controle ginecolĂłgico. Se as alteraçÔes forem mais graves, as cĂ©lulas atingidas pelo vĂ­rus começam a ficar bizarras indicando que nĂŁo se trata de uma infecção simples. Alguns desses casos, felizmente muito poucos, acabam evoluindo para um comportamento mais agressivo. As cĂ©lulas perdem os controles naturais sobre o processo de multiplicação, invadem os tecidos vizinhos, formando um tumor maligno: o cĂąncer do colo do Ăștero. Muitas mulheres, quando recebem o diagnĂłstico de papilomavĂ­rus, ficam assustadĂ­ssimas, imaginando que vĂŁo ter esse tipo de cĂąncer, o que nĂŁo Ă© verdade. Apenas um pequeno grupo corre o risco de desenvolver essa doença maligna.

TRANSMISSÃO DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO
Drauzio – Existe uma estimativa sobre quantas mulheres poderiam estar infectadas pelo papilomavírus atualmente?
Maricy Tacla – Considero importante divulgar alguns dados sobre esse tema polĂȘmico para nĂŁo assustar as pessoas nem minimizar a importĂąncia da infecção. Do ponto de vista epidemiolĂłgico, a Organização Mundial de SaĂșde fala que atĂ© 40% das mulheres sexualmente ativas podem estar infectadas pelo HPV no trato genital e Ă© bom lembrar que os homens nĂŁo estĂŁo livres do problema. Esse nĂșmero pode perecer assustador, se considerarmos que, em cada dez mulheres, quatro estariam infectadas. No entanto, Ă© preciso ressaltar que esse Ă­ndice diz apenas que 40% das mulheres tiveram contato com o papilomavĂ­rus. NĂŁo quer dizer, porĂ©m, que todas vĂŁo evoluir para um quadro de cĂąncer. A importĂąncia desse dado reside no fato de que a presença do vĂ­rus vem sendo relacionada, como fator etiolĂłgico (causal), ao desenvolvimento de cĂąncer do trato genital inferior, isto Ă©, do colo uterino, vagina, vulva e Ăąnus.

Drauzio – Como se processa a transmissão do HPV?
Maricy Tacla – A principal via de transmissĂŁo Ă© a sexual. NĂŁo se pode afirmar categoricamente que seja a exclusiva, mas ninguĂ©m duvida de que seja a predominante. Existe tambĂ©m a possibilidade de transmissĂŁo vertical, ou seja, a transmissĂŁo da mĂŁe para o feto durante a gravidez ou da mĂŁe para o recĂ©m-nascido atravĂ©s do canal de parto, o que justificaria a eventual contaminação das cordas vocais da criança no futuro. NĂŁo se descartam, ainda, a autoinoculação – a prĂłpria pessoa contamina seus genitais quando manipula lesĂ”es localizadas em outras regiĂ”es do corpo – e a inoculação atravĂ©s de toalhas ou objetos alheios que poderiam albergar o vĂ­rus e infectar quem os usasse inadequadamente.

Drauzio – RelaçÔes orogenitais pode transmitir o vĂ­rus?
Maricy Tacla – Podem, uma vez que as mucosas sĂŁo muito suscetĂ­veis Ă  contaminação. Estudos epidemiolĂłgicos reconhecem que o papilomavĂ­rus humano (HPV) constitui um grupo formado por mais de 100 subtipos diferentes. Alguns contaminam com facilidade a pele, as mĂŁos, os pĂ©s. Outros contaminam preferencialmente as mucosas, por isso o ginecologista deve estar atento Ă  parte oral das pacientes, porque sexo oral pode transmitir o HPV.

Fonte: http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/hpv-papilomavirus-humano-3/

Indique esse artigo Indique esse artigo

Tags: ,

Veja Também:

Por favor, Deixe um comentário aqui !