INFEC√á√ÉO URIN√ĀRIA: O QUE DEVEMOS SABER PARA PREVENIR?

17/01/2018 - 15:38 Por:

Categoria(s): Dicas, Doen√ßas e problemas de sa√ļde, Gerontologia, Qualidade de Vida

A pedido de uma leitora, vamos falar sobre infec√ß√£o urin√°ria. A infec√ß√£o urin√°ria atinge 10% nos homens e 20% nas mulheres a partir de 65 anos de idade, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia e, ap√≥s os 80 anos esse n√ļmero duplica.

A incid√™ncia √© maior em mulher do que nos homens por causa do tamanho da uretra. A uretra das mulheres mede cerca de 5 cm e, dos homens 22 cm, por√©m ap√≥s os 50 anos, a pr√≥stata aumenta e pode acontecer de ter dificuldades para eliminar a urina e com isso, aparece as infec√ß√Ķes.

A cistite é a infecção mais frequente, mas, pode evoluir para uma pielonefrite (infecção dos rins), por sua vez, é a forma mais grave, pois a bactéria chega até os rins, causando febre e mal-estar. O tratamento é mais prolongado e pode exigir internação.

Quais são os sintomas da infecção urinária?

Dificuldade para urinar, ard√™ncia, queima√ß√£o, urg√™ncia para urinar, aumento da frequ√™ncia, urina em pequena quantidade, sensa√ß√£o de n√£o esvaziamento da bexiga, febre, incontin√™ncia urin√°ria (perda involunt√°ria de urina), dor na regi√£o abdominal inferior (supra p√ļbica) e sangramento.
A pessoa idosa pode apresentar outros sintomas que não são observados com frequência em jovens como: mal-estar indefinido, falta de apetite, fraqueza, calafrios, confusão mental.

A confusão mental repentina, seguida por esquecimento, troca de nomes e mudança de comportamento, pode ser um dos sinais de infecção urinária em idosos. Esse quadro é bastante comum, mas, como a infecção urinária nem sempre tem sintomas em idosos, muitas vezes podem confundir. Geralmente o idoso não apresenta febre.

Fique atento a isso!

Como diagnosticar?

O diagn√≥stico da Infec√ß√£o do Trato Urin√°rio (ITU) √© feito pela hist√≥ria cl√≠nica, exame f√≠sico e por exames laboratoriais que s√£o solicitados pelo m√©dico, dentre eles: exame de urina, hemograma completo e cultura da urina para identificar a bact√©ria e direcionar o melhor tratamento. Outros exames as vezes s√£o necess√°rios para complementar a avalia√ß√£o m√©dica como, por exemplo, o ultrassom. Como as pessoas idosas podem apresentar sintomas pouco caracter√≠sticos, a urocultura pode ter grande import√Ęncia nestes pacientes.

As bactérias que causam ITU no idoso são em geral mais resistentes que na população mais jovem, porque, comumente, o idoso repetiu ciclos de antibióticos que leva a seleção dessas bactérias mais resistentes.

Fatores de risco:

Existem alguns fatores de risco como incontinência urinária, uso de sonda para esvaziar a bexiga, hipertrofia prostática benigna, prostatite, obesidade (devido à dificuldade na higienização), vaginite atrófica, enfraquecimento do assoalho pélvico e deficiência de estrogênio em mulheres, diabetes, ficar segurando o xixi (péssimo hábito, urina que fica parada por muito tempo cria um ambiente que favorece a proliferação das bactérias), bexiga neurogênica, demência, imobilidade, imunodeficiência relacionada à idade, desidratação, comprometimento funcional e contaminação com as fezes e Diabetes.

Alguns cuidados são necessários para evitar a infecção urinária como:

‚Äď Orientar o idoso a beber bastante l√≠quido (m√©dia de 2 litros por dia), caso n√£o haja nenhuma contraindica√ß√£o;

-N√£o segurar o xixi, urinar sempre que tiver vontade;

-Manter o idoso sempre com uma higiene pessoal adequada;

-Lavar com √°gua e sab√£o neutro a regi√£o perianal ap√≥s as evacua√ß√Ķes;

-Evitar o uso indiscriminado de antibióticos, sem indicação médica;

-O banho, sempre que possível, deve ser dado no chuveiro;

-Atenção para a técnica de sondagem, caso seja necessário;

-Manter controle da diabetes, isso ajuda o controle das infec√ß√Ķes de repeti√ß√£o;

-Procurar especialista para realizar a avalia√ß√£o e tratamento mais adequado. Em homens que tem a pr√≥stata aumentada √© necess√°rio usar medica√ß√£o para melhorar o esvaziamento bexiga ou partir para tratamentos cir√ļrgicos que reduz o volume da pr√≥stata;

-Banho: lavar bem a regi√£o genital e ao redor com √°gua e sabonete neutro ou infantil (n√£o usar sabonetes antiss√©pticos, nem coloridos e nem com muito cheiro) e, n√£o lavar em excesso porque remove a flora natural da pele. Em homens puxar a pele do p√™nis (prep√ļcio) para fazer uma higiene mais adequada, retirando os ‚Äúsebos‚ÄĚ (esmegma) e, nas mulheres, abrir os grandes l√°bios;

-Uso de fralda: nesse caso a aten√ß√£o deve ser redobrada, deve ter uma rotina de trocas e verifica√ß√£o da fralda. N√£o deixar muito tempo sem trocar, a urina √© √°cida e pode provocar assaduras, realizar a troca de 3 em 3 horas. Se poss√≠vel, colocar a fralda somente no per√≠odo noturno e, durante o dia estimular o idoso a chamar e/ ou encaminhar ao banheiro e/ ou oferecer o ‚Äúpapagaio‚ÄĚ.

Tratamento:

O tratamento é simples, mas é necessária avaliação médica.

-Antibiótico preventivo: tratamento médico que dura em torno de 6 meses e são baixas doses de antibióticos; quem convive com a infecção urinária várias vezes ao ano pode recorrer a esse tratamento;

-Cranberry: recomendam sucos, cápsulas ou a fruta, indicados para o tratamento com a bactéria Escherichia Coli;

-Ingestão de água: mínimo de 2 litros por dia;

-Ingestão de probióticos/ fibras: para auxiliar no bom funcionamento do intestino.

Fonte: https://scaelife.com.br/…/infeccao-urinaria-o-que-devemos-s…

Curta! Compartilhe! Comente!

Indique esse artigo Indique esse artigo

Tags: , ,

Veja Também:

Por favor, Deixe um comentário aqui !