Arquivo de Dicas

Suco para reumatismo

14/04/2010 - 13:32 Por:

Categoria(s): Curiosidades, Dicas, Qualidade de Vida

Acute pain in a woman palmO termo reumatismo √© usado para descrever diversos dist√ļrbios em que as pessoas sentem dores na articula√ß√Ķes, m√ļsculos, tend√Ķes e tecidos conjuntivos, com ou sem sinais de inflama√ß√£o.
A medicina alternativa tem ajudado muito com a pomada de apitoxina (extraída do veneno da abelha), causando alívio imediato (se a pessoa não for alérgica ao veneno de abelha), ajudando a regenerar parte do tecido lesionado.
A vitamina E (germe de trigo) pode ajudá-lo, além da vitamina A e C; que também são necessárias.
Suco para reumatismo
¬Ĺ cenoura m√©dia
¬Ĺ pepino m√©dio
¬Ĺ beterraba
1 copo de √°gua mineral
Modo de preparo: bater no liquidificador, e, se possível, tomar sem coar.
Dose recomendada: tomar um copo, tr√™s vezes ao dia, entre as refei√ß√Ķes.
Principais elementos terapêuticos
Cenoura: √© eficiente na elimina√ß√£o de √°cido √ļrico. Cont√©m muitas fibras, que agem como uma esponja, ajudando a eliminar os elementos t√≥xicos do organismo, inclusive o √°cido √ļrico.
Beterraba: adicionada a outros vegetais no feitio de sucos, ajuda a acelerar a elimina√ß√£o de √°cido √ļrico.
Pepino: √© alcalinizante, refrescante e excelente mineralizante (cont√©m f√≥sforo, pot√°ssio, c√°lcio e enxofre), al√©m de ser laxante. √Č usado com muito sucesso no combate √° gota e ao √°cido √ļrico. A combina√ß√£o dos legumes, suco de pepino e cenoura √© recomendada por hospitais naturalistas, pelo seu efeito ben√©fico no tratamento de √°cido √ļrico e gota.
Retirado do livro ‚Äú100 sucos com poderes medicinais‚ÄĚ, de Lelingron Lobo Franco. S√£o Paulo: Eleva√ß√£o, 2005. pag 98-99.


Veja Também:

Comments (2)     Indique esse artigo Indique esse artigo

Novos conceitos sobre exercícios e envelhecimento

14/04/2010 - 12:57 Por:

Categoria(s): Dicas, Qualidade de Vida

Contribuição enviada por Daliane Batista Cardoso*
musculoidosaO tecido adiposo n√£o √© visto por especialistas apenas como um simples reservat√≥rio energ√©tico, mas tamb√©m como um √≥rg√£o end√≥crino, uma vez que secreta um n√ļmero elevado de subst√Ęncias metabolicamente importantes. Um novo estudo concluiu que a pr√°tica de exerc√≠cios f√≠sicos, mesmo que moderada, pode n√£o s√≥ melhorar a composi√ß√£o corporal no processo de envelhecimento como tamb√©m reduzir os efeitos negativos relacionados √† a√ß√£o end√≥crina do tecido adiposo. Coordenado pela professora Maria Cristina das Neves Borges Silva, na Universidade Cruzeiro do Sul, a pesquisa acompanhou 54 mulheres na capital paulista, entre janeiro de 2009 e janeiro de 2010. O trabalho teve apoio da FAPESP por meio da modalidade Aux√≠lio √† Pesquisa ‚Äď Regular. As volunt√°rias foram divididas em quatro grupos. Um com mulheres na faixa de 20 anos de idade e outro na faixa de pouco mais de 50 anos, todas sedent√°rias. Os outros dois grupos tamb√©m eram formados por mulheres jovens e de meia-idade de faixas et√°rias similares, s√≥ que todas praticantes de atividades f√≠sicas de baixa intensidade. Por meio das diferen√ßas em idade, a pesquisadora buscou avaliar os efeitos do tempo sobre o corpo. Ela destaca que o envelhecimento resulta em uma s√©rie de altera√ß√Ķes hormonais, al√©m de um aumento no volume do tecido adiposo e nas concentra√ß√Ķes de subst√Ęncias como as citocinas, consideradas pr√≥-inflamat√≥rias, por mediarem processos de inflama√ß√£o no organismo. ‚ÄúEm idosos, as inflama√ß√Ķes s√£o causadoras de diversas patologias cr√īnicas‚ÄĚ, disse Maria Cristina √† Ag√™ncia FAPESP. Por esse motivo, a atividade end√≥crina do tecido adiposo tem rela√ß√£o com a qualidade de vida dos indiv√≠duos idosos. No estudo, exames de sangue peri√≥dicos indicaram quais subst√Ęncias tinham concentra√ß√Ķes alteradas pelo envelhecimento ou por exerc√≠cios f√≠sicos e quais se mantiveram independentes da influ√™ncia desses fatores. O grupo de meia-idade com treinamento f√≠sico apresentou redu√ß√£o no colesterol, enquanto o grupo sedent√°rio de idade equivalente sofreu aumento na taxa de glicose. A leptina, relacionada ao controle da massa corp√≥rea, tamb√©m foi encontrada em quantidades menores nos grupos que se exercitavam. ‚ÄúQuanto maior a massa corp√≥rea, maior a concentra√ß√£o desse horm√īnio‚ÄĚ, disse Maria Cristina. Mais de 95% dessa subst√Ęncia encontra-se no tecido adiposo.
Sedentarismo e glicose
Al√©m dos exames de sangue, o grupo de pesquisa colheu outros indicadores de sa√ļde, como medi√ß√Ķes das circunfer√™ncias de quadril, cintura e abd√īmen, al√©m do √≠ndice de massa corporal (IMC) e da massa corporal gorda (MCG). Para as mulheres mais velhas, os impactos da falta de exerc√≠cio foram mais vis√≠veis. O grupo apresentou aumentos de IMC, de MCG e das tr√™s medidas de circunfer√™ncia. Por outro lado, o grupo de mulheres de mesma faixa et√°ria que se exercitou durante a pesquisa apresentou redu√ß√£o desses mesmos √≠ndices. ‚ÄúFoi interessante notar essas mudan√ßas mesmo quando a atividade f√≠sica se restringiu a apenas duas horas por semana‚ÄĚ, afirmou Maria Cristina. O trabalho tamb√©m identificou subst√Ęncias que n√£o sofreram altera√ß√Ķes motivadas pela idade nem pelos exerc√≠cios f√≠sicos. √Č o caso da adiponectina, que entre outras fun√ß√Ķes √© respons√°vel pela regula√ß√£o da glicemia. O fator de necrose tumoral alfa (TNF-?), um dos principais mediadores da inflama√ß√£o da pele e das mucosas, e a interleucina-6 (IL-6), que possui um importante papel na regula√ß√£o no sistema imunol√≥gico, tamb√©m n√£o se alteraram. ‚ÄúA pesquisa concluiu que o treinamento regular de baixa intensidade tem um papel regulat√≥rio importante sobre o metabolismo energ√©tico e sobre alguns marcadores inflamat√≥rios e metab√≥licos‚ÄĚ, disse Maria Cristina. O que colocaria a atividade f√≠sica como um importante fator de influ√™ncia sobre a sa√ļde dos idosos, especialmente em rela√ß√£o √†s patologias e problemas ocasionados pelas secre√ß√Ķes hormonais. Segundo a pesquisadora, os resultados da pesquisa se juntam aos de trabalhos anteriores que verificaram outros benef√≠cios da atividade esportiva no envelhecimento, como a diminui√ß√£o da mortalidade em geral, a redu√ß√£o da massa corporal por promover um balan√ßo energ√©tico negativo, a melhora da composi√ß√£o corporal, a utiliza√ß√£o de glicose e do perfil lip√≠dico, o aumento da capacidade aer√≥bia e a diminui√ß√£o da resist√™ncia vascular.
Fonte: Agencia FAPESP (12/03/2010)
* Educadora física, colaboradora e parceira da GeroVida


Veja Também:

Comments (2)     Indique esse artigo Indique esse artigo

Perda muscular na terceira idade: alimentação e atividade física podem fazer muita diferença (Parte 3/3)

14/04/2010 - 9:55 Por:

Categoria(s): Dicas, Qualidade de Vida

Contribuição enviada por Daliane Batista Cardoso*
receitarOs aparentes benef√≠cios dos suplementos e horm√īnios
A melhor fonte de vitaminas e sais minerais continua sendo o alimento. ‚ÄúOs suplementos vitam√≠nicos em c√°psulas, principalmente em altas doses, mostraram-se totalmente ineficientes em rela√ß√£o √† preven√ß√£o de doen√ßas cr√īnicas, c√Ęncer e envelhecimento. Hoje, sabemos que essa pr√°tica, al√©m de n√£o ajudar as pessoas, pode trazer consequ√™ncias delet√©rias √† sa√ļde‚ÄĚ, diz a diretora do Citen. O Conselho Federal de Medicina reiterou, recentemente, por meio da Resolu√ß√£o CFM N¬ļ 1.938/2010, a proibi√ß√£o a v√°rios procedimentos da pr√°tica ortomolecular. Dentre as pr√°ticas condenadas pelo √≥rg√£o fiscalizador est√° a corre√ß√£o de poss√≠veis desequil√≠brios nutricionais por meio do uso de suplementos de vitaminas, minerais, amino√°cidos e √°cidos graxos. Segundo a norma, hoje, j√° existem evid√™ncias cient√≠ficas suficientes que revelam que a suplementa√ß√£o vitam√≠nica sem necessidade pode aumentar os riscos de morte.
Os efeitos dos horm√īnios masculinos para aumentar a massa muscular sempre nos seduziram e nos encheram de esperan√ßas quanto √† possibilidade deles serem usados na terceira idade. ‚ÄúMas, sempre que essa possibilidade √© lembrada, ela se refere apenas √† reposi√ß√£o dos horm√īnios masculinos em homens com defici√™ncia de produ√ß√£o desses horm√īnios. Mesmo nesses casos, h√° ainda muitas d√ļvidas e opini√Ķes contradit√≥rias‚ÄĚ, alerta Ellen Paiva. As rea√ß√Ķes adversas mais comuns devido ao uso dos horm√īnios masculinos s√£o a reten√ß√£o de √°gua, o aparecimento de mamas no homem, o aumento do PSA (ant√≠geno prost√°tico espec√≠fico) – um marcador de c√Ęncer de pr√≥stata – o aumento do volume prost√°tico, altera√ß√Ķes no f√≠gado e uma eleva√ß√£o das taxas de colesterol e triglic√©rides.
A possibilidade da utiliza√ß√£o destes horm√īnios, indiscriminadamente, em homens e mulheres normais na terceira idade, com o objetivo de preservar ou at√© ganhar massa muscular √© ainda mais pol√™mica. ‚ÄúAs evid√™ncias cient√≠ficas n√£o sustentam essa pr√°tica devido aos v√°rios efeitos colaterais. Na mulher, h√° ainda a possibilidade de viriliza√ß√£o, com atrofia mam√°ria, aumento dos pelos e surgimento de acne‚ÄĚ, alerta a endocrinologista Ellen Paiva. Outra medica√ß√£o ‚Äėpotencialmente ben√©fica para a terceira idade‚Äô, o GH ou horm√īnio de crescimento, tamb√©m deve ter sua utiliza√ß√£o direcionada apenas para as pessoas com defici√™ncia deste horm√īnio. Muito usado nas academias de gin√°sticas, apesar dos alertas frequentes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia, esse horm√īnio era tido como um ‚Äėverdadeiro milagre para emagrecer e rejuvenescer‚Äô, com capacidade de reduzir a massa gorda, aumentar a massa muscular e melhorar a disposi√ß√£o.
‚ÄúUma recente edi√ß√£o de uma das maiores revistas de Clinica M√©dica do mundo, a Annals of Internal Medicine, traz um estudo que reuniu 31 dos maiores trabalhos cient√≠ficos sobre GH. Os autores concluem que o horm√īnio n√£o influencia no processo de envelhecimento, portanto, o seu uso com este fim n√£o tem base cient√≠fica alguma. O seu uso por pessoas sadias pode provocar efeitos colaterais muito desagrad√°veis, tais como dores articulares e incha√ßos, al√©m de propiciar o desenvolvimento de doen√ßas como diabetes, les√Ķes card√≠acas e c√Ęncer de pr√≥stata. A melhora da composi√ß√£o corporal atribu√≠da ao GH – que seria o aumento da massa muscular – demonstrou-se muito pequena, n√£o justificando os riscos do seu uso na terceira idade‚ÄĚ, alerta a endocrinologista Ellen Simone Paiva.
Fonte: Segs.com.br (24/02/2010)
* Educadora física, colaboradora e parceira da GeroVida


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Sucos Remineralizante (Parte 2/2)

13/04/2010 - 13:49 Por:

Categoria(s): Curiosidades, Dicas, Qualidade de Vida

sucosfrutasSuco de maçã com banana
1 maçã madura sem casca e sem sementes
3 copos de √°gua de coco
1 banana média
Adoçar a gosto
Modo de preparo: bater no liquidificador. Servir com pedrinhas de gelo.
Receita desintoxicante e vitaminada
200g de melancia
¬Ĺ ma√ß√£ sem casca
Suco de 1 lim√£o
Modo de preparo: bater no liquidificador e tomar gelado.
Principais elementos terapêuticos
Graviola: combate cãibras, e é rica em minerais. Vitaminas: complexo B e C. Minerais: potássio, cálcio, selênio e fósforo.
Maçã: ajuda a emagrecer, é antianêmica e tem ação antiviral. Vitaminas: A, BI, B2 e C. Minerais: potássio, fósforo, magnésio.
Melão: ótimo para regimes de emagrecimento. Refrescante, ajuda a emagrecer. Tem muita vitamina C. Vitaminas: A, C e B. Minerais: potássio, cálcio, ferro e fósforo.
Abacaxi: altamente digestiva, combate a prisão de ventre e é antiinflamatória. Vitaminas: A, C e B1. Minerais: potássio, fósforo, selênio, ferro, magnésio e manganês.
Banana: sa√ļde para crian√ßas, gestantes e atletas. Combate a diarr√©ia infantil e a tens√£o pr√©-menstrual. Vitaminas: A, C, B1, B2 e B5. Minerais: c√°lcio, pot√°ssio, magn√©sio e ferro. Calorias: 96 (100g).
Melancia: mata a sede, hidrata, é anticancerígena, por causa do licopeno e aumenta os glóbulos vermelhos. Vitaminas: A, B1, B5 e C. Minerais: fósforo, ferro, potássio e cálcio.
Limão: refrescante, rico em vitamina C, é excelente para emagrecer e para fortalecer o sistema imunológico. Tem ação adstringente, diurética e beneficia pessoas com hipertensão.
Uva: cont√©m um elemento incr√≠vel contra o infarto, herpes e prote√ß√£o contra o c√Ęncer. Possui ferro, f√≥sforo e pot√°ssio. Possui vitaminas A, C e do complexo B. Combate o colesterol alto. Inibe a a√ß√£o do mau colesterol, evitando o derrame cerebral e reduzindo a forma√ß√£o de placas de gordura.
Tangerina: a tangerina √© uma fruta rica em vitaminas e minerais, auxilia no funcionamento dos intestinos por causa de suas fibras. Exerce a√ß√£o fortalecedora do sistema imunol√≥gico e preventiva de c√Ęncer, al√©m de ser levemente laxativa.
Pêra: ajuda a baixar os níveis de colesterol e combate a prisão de ventre. Rica em fibras, vitamina A e C.
√Āgua de coco: √© um alimento muito saud√°vel, pouco cal√≥rico e remineralizante, muito recomendada tanto em regimes de emagrecimento como um repositor de minerais, agindo como um soro natural. Possui mais de oito minerais.
Retirado do livro ‚Äú100 sucos com poderes medicinais‚ÄĚ, de Lelingron Lobo Franco. S√£o Paulo: Eleva√ß√£o, 2005. pag 95-98.


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Perda muscular na terceira idade: alimentação e atividade física podem fazer muita diferença (Parte 2/3)

13/04/2010 - 13:28 Por:

Categoria(s): Dicas, Qualidade de Vida

Contribuição enviada por Daliane Batista Cardoso*
idosoalimentacaoA dieta ideal na terceira idade
V√°rios estudos t√™m demonstrado a import√Ęncia de uma boa alimenta√ß√£o, em todas as fases da vida. ‚ÄúE, por incr√≠vel que possa parecer, na terceira idade, encontramos uma maior dificuldade para implementar um plano diet√©tico apropriado, pois os idosos apresentam v√≠cios nutricionais importantes e, na maioria das vezes, t√™m muita dificuldade e resist√™ncia para mud√°-los. Quando recebem as orienta√ß√Ķes nutricionais, ‚Äėparecem concordar com elas‚Äô, mas engana-se o profissional de Nutri√ß√£o que acredita piamente que eles as seguir√£o. Eles apresentam uma enorme dificuldade para realizar tamanhas mudan√ßas, numa fase t√£o avan√ßada da vida‚ÄĚ, diz Ellen Paiva, que tamb√©m √© m√©dica nutr√≥loga. A maioria das pessoas ap√≥s os 60 anos n√£o se alimenta adequadamente. ‚ÄúGeralmente, nos deparamos com idosos que comem mal, adoram guloseimas, evitam verduras e legumes e passam a beliscar mais e comer menos nas refei√ß√Ķes b√°sicas. Por conta pr√≥pria, eles reduzem a ingest√£o cal√≥rica e prot√©ica necess√°rias para atender √†s suas necessidades nutricionais. Uma das explica√ß√Ķes para esse fato √© a progressiva perda de apetite e de papilas gustativas, que faz com que muitos alimentos naturais sejam percebidos como ‚Äėsem gra√ßa‚Äô e ‚Äėsem sabor‚Äô, e aqueles mais condimentados, mais salgados ou mais doces, picantes e fritos, se transformem em objeto de desejo‚ÄĚ, diz Ellen Paiva.
Para sermos bem sucedidos na empreitada de alimentar bem o idoso, precisamos refor√ßar a necessidade de que eles fa√ßam as refei√ß√Ķes b√°sicas e evitem o padr√£o alimentar beliscador. ‚ÄúDessa forma, conseguimos preservar a sensa√ß√£o de fome, que se perde com o avan√ßar da idade‚ÄĚ, explica a m√©dica. O idoso, geralmente, tem a necessidade de um maior aporte de micronutrientes e de algumas vitaminas, como √© o caso do c√°lcio e da vitamina D, que afetam a densidade mineral √≥ssea e exp√Ķem o idoso ao risco de sofrer com osteoporose e fraturas. ‚ÄúPara muitos, √© necess√°ria uma suplementa√ß√£o destes micronutrientes‚ÄĚ, diz Ellen Paiva.
Uma caracter√≠stica importante da alimenta√ß√£o das pessoas nessa faixa et√°ria √© a progressiva redu√ß√£o na ingest√£o de prote√≠nas, principalmente carnes. ‚ÄúNesse contexto, nossa estrat√©gia √© voltada √† adequa√ß√£o desse nutriente nas dietas, pois ele √© fundamental √† s√≠ntese da prote√≠na muscular. Orientamos a utiliza√ß√£o de prepara√ß√Ķes prot√©icas palat√°veis e de f√°cil mastiga√ß√£o, como sufl√™s e gratinados, que utilizam molhos √† base de leite e queijos; carnes mo√≠das ou desfiadas, como alm√īndegas cozidas e panquecas recheadas com tais prepara√ß√Ķes‚ÄĚ, ensina a nutr√≥loga. ‚ÄúAparentemente, n√£o h√° benef√≠cios em aumentar a ingest√£o de prote√≠nas atrav√©s de suplementos prot√©icos. Al√©m de ineficazes, os suplementos prot√©icos podem levar √† forma√ß√£o de c√°lculos renais. Na verdade, a melhor estrat√©gia √© adequar a alimenta√ß√£o do idoso √†s recomenda√ß√Ķes nutricionais adequadas √† sua idade e, ao mesmo tempo, estimular a pr√°tica de uma atividade f√≠sica‚ÄĚ, diz Ellen Paiva.
Fonte: Segs.com.br (24/02/2010)
* Educadora física, colaboradora e parceira da GeroVida


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Perda muscular na terceira idade: alimentação e atividade física podem fazer muita diferença (Parte 1/3)

13/04/2010 - 9:51 Por:

Categoria(s): Dicas, Qualidade de Vida

Contribuição enviada por Daliane Batista Cardoso*
idosobasqueteA obesidade continua sendo o maior problema nutricional das sociedades desenvolvidas, mas, ap√≥s a sexta d√©cada de vida, o peso geralmente se estabiliza e o que vemos √© uma tend√™ncia inversa. ‚ÄúAs pessoas come√ßam a perder peso e uma estrutura vital que embeleza, sustenta e ajuda no equil√≠brio do corpo humano: massa muscular. Com isso, al√©m da perda de peso ocorre tamb√©m a redu√ß√£o progressiva da for√ßa muscular‚ÄĚ, afirma a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional. A massa magra √© um dos componentes mais nobres do nosso corpo. √Č composta pelo tecido √≥sseo, √°gua corporal e prote√≠na muscular. Representa o nosso peso corporal, subtraindo-lhe a gordura. Todos esses elementos v√£o sendo reduzidos com o avan√ßar da idade e sofrem uma queda percentual muito maior, quando uma pessoa acima de 60 anos perde peso. ‚ÄúAl√©m da perda de peso, outros fatores favorecem a perda progressiva de massa magra, como a redu√ß√£o de v√°rios est√≠mulos hormonais e a inatividade f√≠sica. Com o envelhecimento, a massa muscular passa por profundas modifica√ß√Ķes, como atrofia e perda das fibras musculares, o que resulta em redu√ß√£o do volume da massa muscular. H√° tamb√©m infiltra√ß√£o de gordura entre as fibras musculares, tornando os m√ļsculos mais fl√°cidos, menos definidos e com menor for√ßa contr√°til. Assim, diferente do que apregoamos para os adultos jovens, em rela√ß√£o aos benef√≠cios da perda de peso, na terceira idade, devemos redobrar os cuidados com a dieta, pois o emagrecimento nem sempre √© bem vindo‚ÄĚ, refor√ßa a endocrinologista. A perda de massa muscular pode afetar todos os grupos musculares do corpo, reduzindo a for√ßa contr√°til desempenhada por eles, o que provoca perda da defini√ß√£o muscular – que d√° a beleza ao m√ļsculo jovem – maior desabilidade, inseguran√ßa ao caminhar, quedas, dificuldades para expandir a caixa tor√°cica e para respirar amplamente ou tossir, com uma maior propens√£o a infec√ß√Ķes de vias a√©reas. ‚ÄúUma vez que a perda de peso e a inatividade f√≠sica s√£o fatores dos mais importantes na determina√ß√£o da perda de massa magra, torna-se fundamental uma alimenta√ß√£o adequada, que viabilize o aporte prot√©ico necess√°rio e a implementa√ß√£o de atividades f√≠sicas regulares para conseguirmos preservar a musculatura na terceira idade‚ÄĚ, afirma Ellen Paiva.
Os benefícios da atividade física
A inatividade f√≠sica, que ocorre progressivamente com o avan√ßar da idade, √© certamente um fator importante para a involu√ß√£o muscular que ocorre com o envelhecimento. ‚ÄúEsse efeito pode ser ainda mais intenso nas pessoas que se mantiveram sedent√°rias na juventude e apenas prolongaram esse comportamento ao longo da vida. Por outro lado, a pr√°tica regular de atividade f√≠sica, desde jovem, lentifica a perda muscular do idoso. A preven√ß√£o √© a estrat√©gia mais importante e eficiente para evitar a perda de massa muscular na terceira idade‚ÄĚ, alerta Ellen Paiva. Para atingir o objetivo de preservar a massa muscular ap√≥s os 60 anos, √© recomendada a pr√°tica regular de atividade f√≠sica, com uma frequ√™ncia m√≠nima de 3 a 4 vezes por semana. Os melhores resultados s√£o observados com a pr√°tica de exerc√≠cios de resist√™ncia. ‚ÄúAl√©m da muscula√ß√£o, as modalidades mais ben√©ficas s√£o as caminhadas, a nata√ß√£o, a hidrogin√°stica, as atividades de dan√ßa e os jogos coletivos. Todas estas atividades colaboram com uma menor perda de massa magra, um maior grau de socializa√ß√£o, um melhor desempenho cardiovascular e uma redu√ß√£o dos quadros de depress√£o, t√£o comuns na terceira idade‚ÄĚ, observa a m√©dica.
Fonte: Segs.com.br (24/02/2010)
* Educadora física, colaboradora e parceira da GeroVida


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Sucos Remineralizante (Parte 1/2)

12/04/2010 - 14:12 Por:

Categoria(s): Curiosidades, Dicas, Qualidade de Vida

sucosSuco de abacaxi com hortel√£
1 copo de √°gua
2 rodelas de abacaxi
6 folhas de hortel√£
Adoçar a gosto e adicionar gelo
Modo de preparo: bater bem no liquidificador todos os ingredientes. N√£o h√° necessidade de coar.
Vitamina de graviola
2 colheres de sopa de polpa de graviola
1 litro de leite desnatado gelado
Modo de preparo: bater no liquidificador e adoçar.
Suco de melancia
1 xícara de polpa de melancia bem madura
250ml de √°gua
Adoçar a gosto
Modo de preparo: bater no liquidificador e servir gelado.
Obs.: comer apenas melancia e suco de melancia durante um dia no mês, pode ajudar a perder peso.
Suco de mel√£o
1 xícara de polpa de melão com cenoura
250ml de √°gua
¬Ĺ cenoura
Adoçar a gosto
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador e servir gelado.
Suco de pêra com maçã
1 pêra
1 maçã
1 copo de √°gua de coco
Modo de preparo: descasque-as e tire as sementes. Bata no liquidificador, adoce se necess√°rio e adicione gelo.
Tangerina com banana
2 bananas grandes picadas
2 tangerinas sem sementes
4 colheres de sopa de mel
Servir gelado
Suco de maçã e uva
2 maçãs, sem casca e sem sementes
2 copos de suco de uva
Modo de preparo: bater num liquidificador. Coar e tomar gelado.
Retirado do livro ‚Äú100 sucos com poderes medicinais‚ÄĚ, de Lelingron Lobo Franco. S√£o Paulo: Eleva√ß√£o, 2005. pag 95-98.


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Fonte marinha de sa√ļde: Algas marinhas fazem muito bem √† sa√ļde e s√£o alimentos de baixo teor cal√≥rico

12/04/2010 - 9:54 Por:

Categoria(s): Dicas, Qualidade de Vida

Contribuição envaida por Daliane Batista Carodoso*
aslgasmarinhasAs algas marinhas fazem parte da alimentação diária de muitos países orientais, como Japão e China. No ocidente, o seu consumo se dá principalmente entre os adeptos das culinárias vegetariana e macrobiótica.
São vários os tipos de algas: ágar-ágar (utilizada como gelatina pelos vegetarianos), arame, dulse, hiziki, irish moss, kombu, nori e wakame. As algas marinhas são ótimas fontes de ferro.
Possuem ainda iodo, mineral essencial ao correto funcionamento da tiroide. Outros minerais que normalmente se encontram nas algas são o cobre, o magnésio, o potássio, o cálcio e o zinco. A maior parte das algas contém ainda o betacaroteno e algumas das vitaminas do complexo B.
Para os vegetarianos e para os que consomem pouca ou nenhuma carne ou peixe, as algas marinhas podem ajudar a combater a anemia, pela grande quantidade de ferro. S√£o pobres em gorduras e calorias e tem um alto teor de fibras.
Fonte: Site BemStar
* Educadora física, colaboradora e parceira da GeroVida


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

51 Dicas para a conquista da automotivaçao

12/04/2010 - 9:29 Por:

Categoria(s): Dicas, Sugest√£o de leituras

Sugest√£o de leitura 112

livroautomotivacao

“51 Dicas para a conquista da automotiva√ß√£o”, de Dario Amorim. Editora Qaulitymark, 2005.
Estresse, cansa√ßo, des√Ęnimo. √Č dif√≠cil pensar em algu√©m que nunca tenha enfrentado tais problemas. Como conseq√ľ√™ncia de tantas preocupa√ß√Ķes, surge a desmotiva√ß√£o na busca pelo sucesso, tanto na vida profissional como na pessoal. Pensando nisso, o palestrante Dario Amorim compilou ’51 dicas para a conquista da automotiva√ß√£o’.


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo

Suco antienvelhecimento e protetor dos tecidos e mucosas

11/04/2010 - 18:08 Por:

Categoria(s): Curiosidades, Dicas, Qualidade de Vida

rostoidosa5 folhas de hortel√£ ou 5 folhas de menta fresca
1 limão médio (suco)
Cascas de um lim√£o
1 copo de √°gua
Mel para adoçar a gosto
Modo de preparo: cortar as cascas do limão em pedaços e bater com os outros ingredientes no liquidificador.
Dose recomendada: tomar o suco tr√™s vezes ao dia, entre as refei√ß√Ķes.
Principais elementos terapêuticos
Hortel√£: √© antiss√©ptica, antiinflamat√≥ria e t√īnica. Cont√©m flavon√≥ides.
Lim√£o: possui vitamina C, vitamina antioxidante que previne o envelhecimento, pela capacidade de impedir o ataque de radicais livres.
Suco para rejuvenescer
¬Ĺ ma√ß√£
¬Ĺ banana
2 castanhas de caju picadas
¬Ĺ cenoura (suco)
2g de ch√° de gengibre
1 copo de √°gua
Adoçar a gosto
Modo de preparo: bater tudo no liquidificador.
Dose recomendada: tomar um copo, duas vezes ao dia, entre as refei√ß√Ķes principais.
Suco anti radicais livres
1 kiwi
2 ramos de brócolis
1 couve-de-bruxelas
1 folha de couve
1 copo de √°gua de coco ou √°gua mineral
Modo de preparo: cortar o kiwi em rodelas, picar o restante dos ingredientes e misturar a água de coco com o adoçante ou água. Bater no liquidificador.
Dose recomendada: um copo, duas vezes ao dia.
Principais elementos terapêuticos
√Āgua de coco: tem muitos minerais como pot√°ssio, f√≥sforo, c√°lcio, magn√©sio, s√≥dio e ferro, que ajuda a evitar a desidrata√ß√£o e a anemia.
Br√≥colis, repolho e couve: cont√™m ind√≥is, capazes de bloquear muitas esp√©cies de c√Ęncer.
Kiwi: possui em 100g, cinco vezes mais vitamina C que a laranja. √Č uma vitamina varredora de radicais livres. Segundo Linus Pauling, pr√™mio Nobel de qu√≠mica, o √°cido asc√≥rbico (vitamina C) evita e previne o c√Ęncer, al√©m de ajudar a eliminar as toxinas do organismo, por causa de suas fibras.
Retirado do livro ‚Äú100 sucos com poderes medicinais‚ÄĚ, de Lelingron Lobo Franco. S√£o Paulo: Eleva√ß√£o, 2005. pag 93-94.


Veja Também:

Coment√°rios     Indique esse artigo Indique esse artigo