Sociabilidade em Idosos

24/05/2017 - 11:04 Por:

Categoria(s): Dicas, Educação, Gerontologia, Qualidade de Vida, Reflexão

Sociabilidade em Idosos

Entre os idosos, o envolvimento social é um indicador de bons níveis de saúde e funcionalidade expressas em habilidades físicas, cognitivas, emocionais e sociais, prevenindo perdas.

Os idosos saudáveis podem manter o nível de atividade e de envolvimento social para garantir suporte e apoio e aumentar o seu bem-estar subjetivo. Porém, podem afastar-se de atividades sociais para preservar os recursos físicos e emocionais ou por causa de mudanças em suas prioridades.

Na velhice, as atividades e o envolvimento social podem diminuir em frequência e amplitude caso haja diminuição da saúde física, cognitiva e capacidade funcional.

Em decorrência desta possível diminuição, é necessário estimular a convivência e o desenvolvimento de atividades.

Há seis níveis de atividades:

  • Atividades em casa em que a pessoa realiza sozinha preparando para interagir com outras;
  • Estar sozinha, mas com um grupo de pessoas fora de casa;
  • Interagir com outras pessoas, mas sem realizar atividade específica e de vínculo com elas (pedir informação na rua ou por telefone, conversar rapidamente no elevador, cumprimentar alguém brevemente);
  • Realizar uma atividade junto com outras pessoas, colaborando para alcançar um objetivo em comum;
  • Ajudar outras pessoas voluntariamente com determinado vínculo ou necessidade;
  • Contribuir para a sociedade de forma cívica.

Referência:

Anita Liberalesso Neri. Palavras-chave em Gerontologia. Campinas: Editora Alínea, 2014, pp.328-334.

Conheça o Facebook da GeroVida em https://www.facebook.com/GeroVida

Curta, compartilhe, comente!

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Indique esse artigo Indique esse artigo

A importância do Sono

10/05/2017 - 16:48 Por:

Categoria(s): Dicas, Educação, Qualidade de Vida

É um total contrassenso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos valores da sociedade industrial, esforçam-se por reduzir o número de horas de sono diário. Com isso acreditam, provavelmente, que um corpo “treinado” para dormir menos nos permita ampliar o número de “horas úteis” do dia, mantendo o mesmo desempenho.

Pura ilusão ou, mais provavelmente, uma boa dose de ignorância sobre a importância que o sono tem no funcionamento de nosso corpo e da nossa mente.

Dormir não é apenas uma necessidade de descanso mental e físico: durante o sono ocorrem vários processos metabólicos que, se alterados,  podem afetar o equilíbrio de todo o organismo a curto, médio e, mesmo, em longo prazo. Estudos provam que quem dorme menos do que o necessário tem menor vigor físico, envelhece mais precocemente, está mais propenso a infecções, à obesidade, à hipertensão e ao diabetes.

Alguns fatos comprovados por pesquisas podem nos dar uma ideia da importância que tem o sono no nosso desempenho físico e mental. Por exemplo, num estudo realizado pela Universidade de Stanford, EUA, indivíduos que não dormiam há 19 horas foram submetidos a testes de atenção. Constatou-se que eles cometeram mais erros do que pessoas com 0,8 g de álcool no sangue – quantidade equivalente a três doses de uísque. Igualmente, tomografias computadorizadas do cérebro de jovens privados de sono mostram redução do metabolismo nas regiões frontais (responsáveis pela capacidade de planejar e de executar tarefas) e no cerebelo (responsável pela coordenação motora). Esse processo leva a dificuldades na capacidade de acumular conhecimento e alterações do humor, comprometendo a criatividade, a atenção, a memória e o equilíbrio.

Dicas para dormir melhor

  • À noite, procure comer somente alimentos de fácil digestão e não exagerar nas quantidades. Evite tomar café, chás com cafeína (como chá-preto e chá-mate) e refrigerantes derivados da cola, pois todos são estimulantes (“despertam”);
  • Evite dormir com a TV ligada, uma vez que isso impede que você chegue à fase de sono profundo.
  • Apague todas as luzes, inclusive a do abajur, do corredor e do banheiro (Dica GeroVida: se necessário, no caso de idosos, mantenha apenas a luz de emergência);
  • Não leve livro estimulante nem trabalho para a cama;
  • Procure usar colchões confortáveis e silenciosos;
  • Tire da cabeceira o telefone celular e relógios;
  • Tome um banho quente, de preferência na banheira, para ajudar a relaxar, antes de ir dormir.

Procure seguir uma rotina à hora de dormir, isso ajuda a induzir o sono.

Autora: Dra. Regeane Trabulsi Cronfli, médica formada pela Faculdade de Medicina da USP, especialista em Endocrinologia e Metabologia.

Tags: , ,


Veja Também:

Comentários     Indique esse artigo Indique esse artigo

Dicas para meditar

21/12/2015 - 8:53 Por:

Categoria(s): Qualidade de Vida

Contribuição enviada por Daliane Batista Cardoso*

meditacaoLeia algumas dicas que vão te ajudar a mergulhar no fascinante mundo da meditação:

Se familiarize
“A meditação começa pelo relaxamento, permitindo que tudo se torne tranquilo. Portanto, buscar se familiarizar com técnicas de relaxamento é uma boa estratégia para começar”, diz Claudio Mendes Moraes, Instrutor de Meditação do Instituto Nyingma do Rio de Janeiro.
“Comece a prática com a leitura de um bom livro a respeito, mas um bom livro mesmo, e não estes manuais práticos que não possibilitam uma motivação verdadeira para um processo de busca e transformação pessoal. Minhas sugestões: A Arte da Felicidade (Dalai Lama, Howard Cuttler), Transformação e Cura (Thich Nhat Hanh), Paz a Cada Passo (Thich Nhat Hanh), Autoperfeição com Hatha Yoga (Hermógenes) e Yoga para Nervosos (Hermógenes)”, diz Vitor Caruso Jr.

A meditação sentada
“Conte as respirações. Diga mentalmente “um” na inspiração, e depois “um” na expiração. Depois “dois” e “dois”. Se perder a contagem voltar para o um. Quando conseguir chegar até 10, pode voltar ao começo. É uma forma da pessoa não se perder demais no início da prática e auxiliar a pessoa a conseguir fixar sua atenção na respiração”, ensina Leonardo Dobbin da Sangha Viver Consciente.

A meditação caminhando
“Preste atenção em cada passo que se dá e sincronizar a respiração com os passos. Normalmente para iniciantes é mais fácil por que não precisa ficar imóvel por muito tempo”, diz Leonardo.

Medite mais de uma vez por dia
“Vinte minutos duas vezes ao dia é o que as pesquisas indicam para obter ganhos em nossa saúde física e mental”, ensina Sandra Rosenfeld.

Saiba que não é preciso ter religião para praticar
“É preciso sim, diligência e esforço, e não é necessário acreditar em dogmas ou sistemas de crenças” (Leonardo Dobbin).

Não lute quando os pensamentos surgirem
“Apenas deixe que passem sem se envolver com eles” (Sandra Rosenfeld).

Deixe a produtividade de lado por um momento
“Disciplinamos-nos a fazer, mais e mais rápido. Chegamos ao ponto de acharmos que não podemos fazer de outro jeito. Pare com a listas de atividades de coisas a fazer” (Vitor Caruso Jr.).

Saiba que não há nenhum lugar a ser alcançado
“A dificuldade talvez esteja no fato da pessoa acreditar que tem que sentar e necessariamente fazer alguma coisa ou chegar a algum lugar. Como parar de pensar, por exemplo, que é o quê muitos creem. Isto pode se tornar um obstáculo” (Claudio Mendes Moraes )

Fonte: Site Bem Estar (28/07/2010)
* Educadora física, parceira da GeroVida no envio de artigos para o blog.

Conheça o Facebook da GeroVida em https://www.facebook.com/GeroVida
Curta, compartilhe, comente!

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Indique esse artigo Indique esse artigo